Empresário é preso por suspeita de vender combustível como cachaça - Jornal Diário do Curimataú
Empresário é preso por suspeita de vender combustível como cachaça

Empresário é preso por suspeita de vender combustível como cachaça

COMPARTILHE

 


G1 -

Um empresário de 40 anos foi preso em flagrante, nesta terça-feira (17), em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, suspeito de falsificar e vender bebida alcoólica com etanol.

Segundo a polícia, o prejuízo do esquema chegaria a R$ 2,4 milhões.

A Polícia Civil começou a investigação depois de ser acionada pelo Instituto Mineiro de Agropecuário (IMA), que recebeu denúncias anônimas de adulteração de bebidas.

“Diante da informações e dos detalhes, achamos prudente procurar a polícia. Estava bem claro a atividade criminosa. A polícia passou a investigar, identificou a materialidade e a operação veio a ocorrer”, contou o fiscal do IMA, Lucas Guimarães.

De acordo com as investigações, o suspeito fabricava e distribuía a falsa cachaça em dois galpões, localizados em Contagem. Em um destes locais, foram apreendidos cerca de 60 mil litros de etanol, além de garrafas, computadores, documentos e veículos.

“Esses 60 mil litros de álcool iriam render cerca de 120 mil litros de cachaça falsa, altamente prejudicial ao consumo”, disse o delegado Júlio Wilke.

Ainda segundo o delegado, algumas notas fiscais apreendidas pela polícia identificaram que o álcool vendido era combustível para veículos.

Wilke explicou que não se sabe ainda se o suspeito utilizou uma marca legal ou se criaram essa empresa para adulterar o produto.

Dois funcionários da indústria foram ouvidos e a polícia apura o envolvimento de cada um.


O produto foi levado para análise no IMA. A Polícia Civil vai investigar quantos litros eram produzidos mensalmente e para quem eram vendidos.

Os envolvidos podem responder por crime tipificado como “corromper, adulterar, falsificar ou alterar substância ou produto alimentício, assim como a exposição à venda, a manutenção em depósito para venda e distribuição de produtos falsificados, corrompidos ou adulterados”.