Com falta de fertilizantes, alimentos devem ficar mais caros em 2022 - Jornal Diário do Curimataú
Com falta de fertilizantes, alimentos devem ficar mais caros em 2022

Com falta de fertilizantes, alimentos devem ficar mais caros em 2022

COMPARTILHE

 


Poder 360 -

A crise de fertilizantes pode ter um efeito direto no bolso do brasileiro. A falta de insumos para plantações deve elevar ainda mais os preços de alimentos no ano que vem.

Produtores brasileiros enfrentam um cenário desfavorável para conseguir fertilizantes. A China, exportadora dos insumos, passa por uma crise energética que coloca a cadeia de suprimentos mundial em risco.

A produção nacional de fertilizantes não dá conta da demanda interna. Até julho de 2021, o mercado brasileiro já utilizou 23,9 milhões de toneladas desses insumos. Apenas 3,7 milhões foram produzidos no Brasil. Todo o restante foi importado, segundo dados da Anda (Associação Nacional para Difusão de Adubos).

Com a demanda em alta e a oferta em baixa, o preço das plantações deve subir –e esse valor deve ser repassado ao consumidor. Esse cenário já foi citado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no início de outubro.

“Como deve faltar fertilizante, por falta de oferta no mercado ele vai plantar menos, se vai plantar menos, vai colher menos. Menos oferta e a procura igual tem aumento de preços”, disse.
Bolsonaro também afirmou que o risco de desabastecimento é “seríssimo”, mas que o governo teria uma “solução”. Um programa emergencial de fertilizantes seria lançado ainda em outubro, mas não deu detalhes.

Além dos fertilizantes, as plantações brasileiras também já foram afetadas pelo clima, entre elas o milho. Em agosto, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) reduziu de 260,8 milhões para 254 milhões a estimativa para a produção brasileira de grãos na safra de 2020/2021. O motivo: mudanças climáticas….

A seca prolongada já vinha afetando as lavouras, e as geadas registradas na frente fria de julho ampliaram as perdas. Com isso, o milho deve ter uma produção 15,5% menor do que a safra anterior.

O milho é um grão utilizado para alimentar animais, além do consumo humano. Uma safra menor encarece o produto em ambas as frentes e contribui para a alta de preços de suínos e aves.

O custo da alimentação para a população brasileira já ficou mais caro este ano. Até agosto, segundo a Abras (Associação Brasileira de Supermercados), uma cesta básica com os 35 produtos mais comprados em supermercados, ficou 22,23% mais cara nos últimos 12 meses.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter, Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.