Conheça os países que vacinam visitantes contra a Covid-19 - Jornal Diário do Curimataú
Conheça os países que vacinam visitantes contra a Covid-19

Conheça os países que vacinam visitantes contra a Covid-19

COMPARTILHE

 


Poder 360 -

Depois de mais de 1 ano de pandemia, algumas nações começam a experimentar um pouco da normalidade pré-Covid. A volta do turismo é parte importante dessa retomada e, para muitos países, a reabertura das fronteiras está atrelada à vacinação.

União Europeia, por exemplo, analisa a adoção de um certificado que comprovaria que o turista está imunizado contra a covid-19. Com isso, a entrada e livre circulação ficam garantidas. Israel vai abrir as portas a turistas vacinados no fim de maio.

Nesse momento, apenas 8,1% dos brasileiros estão completamente imunizados. O Brasil aplicou a 1ª dose de vacinas contra a covid 34.966.746 pessoas até as 22h04 de 6ª feira (7.mai.2021). Dessas, 17.629.179 receberam também a 2ª dose.

O ritmo mais acelerado da vacinação em alguns países está fazendo com que aqueles que têm dinheiro e possibilidade de viajar escolham essas nações para receber imunizantes anticovid.

**

Os Estados Unidos estão entre os principais destinos de quem pretende se vacinar. O país já imunizou 41,9% de sua população adulta (32,8% da população geral). Mais de 57% da população adulta (45% do total de habitantes) recebeu ao menos uma dose de vacinas contra o coronavírus.

As regras se tornaram menos rígidas no país com o avanço da vacinação. Agora, todos com mais 16 anos poderiam se vacinar. Com isso, brasileiros que moram no país, como o ex-piloto Rubens Barrichello e a atriz Carolina Dieckmann, já se vacinaram.

A imunização de turistas não é regulamentada no país. Mas alguns Estados não exigem comprovante de residência na hora da vacinação ou aceitam documentos não oficiais, como declaração escrita por algum morador.

A Flórida é um desses casos. O Estado abriga duas das cidades mais procuradas pelos brasileiros: Orlando e Miami. O departamento de saúde autoriza a vacinação dos “residentes sazonais” e deixou de exigir comprovante de residência.

Sergio Moro, ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça, tomou a vacina da Pfizer contra a covid-19 nos Estados Unidos em abril. Ele estava no país a trabalho. O mesmo ocorreu com a cantora Anitta, que se imunizou durante o período em que esteve em Miami para divulgar sua nova música.

Alguns estrangeiros sem residência nos Estados Unidos conseguiram se vacinar apresentando contratos temporários de aluguel.

Israel, outro país que está avançado no processo de vacinação, também abriu a vacinação para pessoas com mais de 16 anos. Quase 60% dos israelenses já receberam as duas doses do imunizante da Pfizer, a vacina usada no país.

A exigência para receber a vacina é ter um seguro de saúde. Quem não tem deve comprovar que está há mais de 6 meses em Israel.

A Rússia foi o 1º país a começar a vacinar sua população com a Sputnik V, em novembro. O governo do país não impõe restrições de idade sobre quem pode receber a vacina.

O imunizante ainda não foi aprovado pelas principais agências regulatórias do mundo, como a EMA (Agência Europeia do Medicamento) e a FDA (Food And Drug Administration, dos EUA). A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) negou permissão à importação e uso emergencial da vacina.

Ainda assim, agências de turismo cobram de R$ 8.000 a R$ 20.000 por viagem com vacinação na Rússia.

VACINAÇÃO DE TURISTAS
Alguns países cujas economias dependem fortemente do turismo têm planos para imunizar visitantes e, assim, atrair turistas. O Panamá já autoriza que pessoas sem residência no país recebam a vacina. Na página de registro existe a opção “estrangeiro sem número de filiação”. Por enquanto, o país ainda está na fase 2 do plano de imunização, que contempla grávidas e maiores de 60 anos. A vacinação da população geral está prevista na 4ª fase, ainda sem data para ter início.

Cuba e Ilhas Maldivas anunciaram que vão oferecer vacinas aos turistas. Os programas, no entanto, ainda não começaram.

As Ilhas Maldivas vão 1º imunizar toda a população. Até 3 de maio, 55,2% dos habitantes do arquipélago receberam ao menos uma dose de vacinas, sendo que 21,13% estão totalmente vacinados.

O governo do país criou o plano “3V” (Visit, Vaccinate, and Vacation – Visita, vacina e férias, em português).

“O entorno dos complexos hoteleiros é perfeitamente seguro para a vacinação. Os turistas podem ficar de 5 a 8 semanas para receber a 2ª dose, ou sair e voltar para a 2ª dose”, disse o ministro do Turismo das Maldivas, Abdulla Mausoom, em meados de abril.

Cuba anunciou no começo do ano que ofereceria vacina aos turistas. Um vídeo veiculado na TV Telesur apresenta o país como um lugar no qual o turista encontra “praias, Caribe, mojitos e vacinas”. No fim, a pergunta: “O que você acha dessa oferta? Você viajaria a Cuba para se vacinar?”

O país desenvolve 4 vacinas contra a covid-19, mas todas ainda estão em fase de teste. A mais avançada é a Soberana 2, que está na 3ª e última etapa de testagem.

PASSAPORTE DA IMUNIDADE
A adoção de um certificado de imunidade para permitir a entrada de turistas tem sido discutida por diversos territórios, como Uruguai e União Europeia. De forma geral, o documento registra se o portador está imunizado contra a covid-19, se já se recuperou da doença nos últimos meses e seu histórico de testes.

Os deputados do Parlamento Europeu aprovaram em 29 de abril os parâmetros para a definição de um “Certificado Covid-19”. O documento permitirá que os cidadãos dos 27 países que compõem a União Europeia tenham livre circulação pelo bloco.

O projeto aprovado ainda será discutido com a Comissão Europeia, mas o objetivo é que o certificado entre em vigor antes do verão na Europa, que começa em meados de junho.

Segundo comunicado emitido pelo Parlamento, “os titulares de um certificado covid-19 da UE não devem estar sujeitos a restrições de viagem adicionais, como quarentena, autoisolamento ou testes”.

Por enquanto, a proposta contempla apenas os cidadãos dos 27 países-membros da UE. A Comissão Europeia, no entanto, quer expandir para outras nações.

Em entrevista ao New York Times, a presidente da Comissão, Úrsula von der Leyen, disse que o bloco vai permitir a entrada de pessoas vindas dos Estados Unidos que estejam imunizadas contra a covid-19. Ela destacou que não vê problema em aprovar a medida, uma vez que as vacinas autorizadas pela EMA e pela FDA são praticamente as mesmas.

Tanto EUA quanto UE vacinam suas populações com os imunizantes de Pfizer, Moderna e Janssen. A EMA ainda aprovou o uso da vacina da AstraZeneca.

A proposta do Parlamento Europeu permite a livre circulação das pessoas vacinadas com os imunizantes aprovados pela EMA. Também permite que os países autorizem a entrada de quem recebeu alguma vacina aprovada pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Até o momento, a CoronaVac ainda não foi autorizada por nenhum dos órgãos. A vacina da farmacêutica chinesa Sinovac é a mais usada no Brasil.

Israel vai permitir a entrada de turistas vacinados a partir de 23 de maio. A ministra do Turismo do país, Orit Farkash-Hacohen, disse que, num primeiro momento, apenas viajantes de determinados países poderão entrar. São eles: Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Itália, Malta, Islândia, Dinamarca, Irlanda, Portugal, Nova Zelândia, Austrália, Cingapura e Hong Kong.

As vacinas aceitas por Israel são as aprovadas por EMA e FDA.

O Uruguai é o país da América Latina que mais avançou nas discussões de um passaporte de imunidade. Planeja aderir ao IATA Travel Pass –documento da Associação Internacional de Transporte Aéreo que reúne informações sobre vacinas e testes.

O país testou o uso do certificado em 10 de abril, com passageiros de um voo vindo de Madri.

O Japão estuda a criação de um aplicativo para smartphones que reuniria todas as informações relativas à covid-19. “Outros países estão fazendo isso [o certificado covid], então o Japão terá que considerar isso também”, declarou o ministro responsável pela resposta à pandemia, Taro Kono, em sessão do Parlamento, em 28 de abril.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter, Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.