‘Tem que vender essa porra logo’, diz Paulo Guedes sobre Banco do Brasil - Jornal Diário do Curimataú
‘Tem que vender essa porra logo’, diz Paulo Guedes sobre Banco do Brasil

‘Tem que vender essa porra logo’, diz Paulo Guedes sobre Banco do Brasil

COMPARTILHE

Poder360 -

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na reunião ministerial de 22 de abril que o governo federal faz “o que quer” com a Caixa Econômica e o BNDES, mas que no Banco do Brasil “não consegue fazer nada” porque a instituição é de capital misto e tem ações em Bolsa. O vídeo da reunião foi divulgado nesta 6ª feira (22.mai.2020) por determinação do ministro do STF (Supremo Tribunal Feral) Celso de Mello. Leia a íntegra da transcrição feira pela Polícia Federal.

O Banco do Brasil não é tatu nem cobra. O Banco do Brasil não é tatu nem cobra. Porque ele não é privado, nem público. Então se for apertar o Rubem (o presidente Rubem Novaes), coitado. Ele é super liberal, mas se apertar ele e falar: ‘bota o juro baixo’, ele: ‘Não posso, senão a turma, os privados, meus minoritários, me apertam’ . Aí se falar assim: ‘bota o juro alto’, ele: ‘não posso, porque senão o governo me aperta’ . O Banco do Brasil é um caso pronto de privatização”, declarou Guedes.
Paulo Guedes o interrompe e diz: “Mas só confessa o seu sonho”. 
Rubem Novaes não entende. Guedes volta a insistir “Confessa o sonho”. Então, Jair Bolsonaro o interrompe e diz: “Deixa pra depois, confessa não”. E reforça: “Faz assim: só em 23 cê confessa, agora não”.
vídeo da reunião foi liberado nesta 6ª feira (22.mai.2020) pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello. A gravação é o principal elemento do inquérito que apura no Supremo suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal, conforme relatou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter, Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.