Famup orienta sobre lockdown e explica quando deve ser adotada essa medida - Jornal Diário do Curimataú
Famup orienta sobre lockdown e explica quando deve ser adotada essa medida

Famup orienta sobre lockdown e explica quando deve ser adotada essa medida

COMPARTILHE
Assessoria -

A pandemia causada pelo coronavírus tem levado muitos gestores estaduais e municipais a adotar a decretação do lockdown, que é uma expressão em inglês para designar confinamento ou fechamento total. Por conta disso, a Federação das Associações de Municípios da Paraíba (Famup) busca esclarecer como funciona essa versão mais rígida do distanciamento social e quando a recomendação se torna obrigatória. Para o presidente da Famup, George Coelho, a iniciativa tem o objetivo de informar prefeitos e a população sobre o significado dessa nova palavra que tem sido tão comum nos dias atuais.

O lockdown é uma imposição do Estado que significa bloqueio total. No cenário de pandemia, como a que vivemos hoje por conta da proliferação do coronavírus, essa medida é a mais rigorosa a ser tomada e serve para desacelerar a propagação da doença. “Geralmente ela é tomada após se observar que as medidas adotadas de isolamento social e de quarentena não foram suficientes e os casos da Covid-19 continuam aumentando diariamente”, comentou o presidente da Famup, George Coelho.

Na prática, o lockdown consiste em restringir a circulação da população em lugares públicos, permitindo apenas, e de forma limitada, para questões essenciais, como ir à farmácias, supermercados ou hospitais. O descumprimento dessa regra pode acarretar multas, em toque de recolher e até detenções, dependendo do governo local.

O lockdown já foi adotado em 18 cidades de cinco estados brasileiros. Na Paraíba, a medida já foi anunciada como necessária pelo prefeito de Santa Rita, Emerson Panta, e os gestores municipais de João Pessoa, Conde, Cabedelo e Bayeux, discutem com o governador João Azevedo formas de tornar o distanciamento social mais rígido nesses locais para evitar o avanço da doença.

Diferenças – Existe diferença entre isolamento social, quarentena e lockdown. Apesar de terem o mesmo objetivo, que é manter as pessoas em casa, evitando aglomeração, essas palavras não são sinônimas.

Isolamento social: É uma recomendação médica para pessoas que podem ter tido contato com algum paciente infectado ou estão aguardando o resultado de testes (sobre a contaminação pelo novo Coronavírus) ou tenham o diagnóstico confirmado. Nestes casos, é recomendado que se isolem das demais e evitem a propagação da doença. O isolamento pode ser tanto domiciliar quanto hospitalar, dependendo da gravidade de cada caso.

O isolamento é subdividido em dois tipos: Isolamento vertical que é limitado ao grupo de risco, idosos e pessoas com doenças pré-existentes que possuem maiores chances de apresentarem quadros mais graves da doença. Já no isolamento horizontal não há limitações de grupos e todos devem ficar em casa. Isso restringe a circulação e aglomeração de pessoas e reduz a disseminação do vírus.

Na quarentena, as pessoas que tiveram contato com pacientes contaminados ou estiveram em regiões com surtos da doença, devem se manter em quarentena. A duração da quarentena é determinada de acordo com o período de incubação (tempo em que a doença se manifesta), e pode variar de 1 a 14 dias.

E no lockdown, como já explicado, a medida é imposta quando o isolamento social e a quarentena não sejam suficientes ou respeitados. Sendo assim, o gestor intervém para limitar a circulação da população, o que inclui o fechamento de vias (proibindo deslocamentos não essenciais) e locais públicos e privados.




Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter, Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.