Veja quatro ideias simples e eficazes para economizar dinheiro - Jornal Diário do Curimataú
Veja quatro ideias simples e eficazes para economizar dinheiro

Veja quatro ideias simples e eficazes para economizar dinheiro

COMPARTILHE
Correio -

O ano de 2019 equilibra fatores bons e maus na Economia. Por um lado, é um momento de reformas importantes e recomeço de crescimento. Por outro, a saída de dinheiro do país e a falta de algumas condições básicas de investimento e produção parecem derrubar o desempenho – e as carteiras – dos trabalhadores.
O cidadão comum sente a economia no bolso, no dia a dia. Com respeito ao pagamento de contas, o ano vem demonstrando números crescentes de inadimplentes. O Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que mais 1,6% da população somou-se aos maus pagadores em outubro.
Ninguém tem dúvidas de que honrar pagamentos é uma obrigação, mas nem sempre o dinheiro que se ganha é suficiente. Um exemplo disso é uma pesquisa realizada pela empresa de crédito Boa Vista em setembro.
O estudo apontou que mais de 56% das pessoas que tinham intenção de sacar o FGTS, liberado pelo governo, pretendiam usar a quantia realizada para quitas dívidas.
Mas será que não há nada mais a se fazer para sobreviver financeiramente? Confira abaixo quatro ideias simples, porém eficazes para isso.

Poupança é má escolha

Poupar dinheiro é uma excelente escolha. Essa é a única maneira de acumular e preservar patrimônio e ter algum tipo de prosperidade. Mas contratar uma conta de poupança num banco é provavelmente a pior maneira de chegar a esses objetivos.
O motivo para isso é que a rentabilidade da poupança dos bancos é baixíssima.
Muitas pessoas não entendem que o banco é uma empresa, que vende produtos como em outros ramos. A diferença é que são produtos financeiros: aplicações com o dinheiro do cliente. Embora a poupança seja um investimento popular, quem sai ganhando sempre é o banco, e não o cliente.
Mas calma: não é porque a poupança é um mau investimento que não há outras maneiras estáveis de manter o patrimônio.A página do Tesouro Direto pode ser uma boa fonte inicial de informações sobre títulos públicos – que permitem preservar a riqueza pessoal de maneira estável.

A organização a curto prazo

Ainda falando em poupar dinheiro, existe um primeiro passo fundamental e acessível a todos para ter controle sobre o próprio dinheiro: enxergar o dinheiro entrando e saindo de casa.
Embora pareça simples, a maioria das pessoas não consegue enxergar inteiramente onde gasta todo seu dinheiro e nem o quanto poderia poupar todo mês.
Para conseguir enxergar esse fluxo de dinheiro, é muito importante manter uma planilha de orçamento doméstico. Você pode baixar a planilha gratuita formulada pelo Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.
Além de identificar exatamente com precisão o que merece o seu dinheiro e o que é gasto em excesso, a prática de usar a planilha vai lhe ajudar a prever rendimentos e gastos com antecedência de alguns meses.
Em suma, esse é o tipo de medida simples que poucas pessoas comentam, mas que podem te poupar de recorrer a um empréstimo urgente sem boas condições de pagamento.

O pensamento a longo prazo

Olhado de uma perspectiva específica, tudo pode ser entendido como um investimento. Uma criança posta na escola e depois na universidade é um investimento no bem-estar dela mesma e da família a longo prazo. Dedicar tempo a aprender habilidades ou pessoas novas também pode.
Mas se tudo pode ser entendido como investimento, o que não é um investimento? A maneira de distinguir o que merece dedicação de atenção e esforço é ter a habilidade de criar um foco pessoal. Metas na vida são importantes, e isso é essencial.
Porém, muitas vezes não temos bagagem ou mesmo visão a longo prazo suficientes para sequer reconhecer como uma meta se parece – ou qual é uma meta atingível e desejável.
Uma leitura introdutória a esta visão de longo prazo, com ênfase na criação e preservação de patrimônio, é Pai Rico, Pai Pobre, dos escritores Robert Kiyosaki e Sharon Lechter.O livro foi um sucesso de vendas e tem até em versão de audiolivro.
Em linhas gerais, o volume dá dicas muito práticas de hábitos saudáveis de se cultivar, com o objetivo de alcançar a independência financeira.Afinal de contas, conquistar a independência financeira é o primeiro passo para ter condições materiais (e algum mínimo de sossego) de estabelecer qualquer meta.

Diminuir riscos

Às vezes o controle financeiro e a busca por bons investimentos não são suficientes. Quem está com a corda no pescoço precisa de dinheiro agora e não pode escolher muito.
Nesses casos, é preferível buscar crédito que exija alguma garantia. Ele costuma ser mais difícil de obter, mas será muito melhor pagá-lo do que um empréstimo abatido diretamente da folha de pagamento.
O crédito abatido da folha de pagamento é chamado crédito consignado. Contratar esse tipo de empréstimo dá uma flexibilidade menor de pagamento de compromissos do que um empréstimo comum. Afinal de contas, antes mesmo de o dinheiro de um mês de trabalho chegar à sua mão, passará pelas mãos do credor!
Isso não resulta apenas num bolo de dinheiro menor para arcar com os custos mensais de casa. Para o controle pessoal, é muito melhor o devedor receber o que é seu por direito e se organizar dentro de suas possibilidades e só depois quitar seus compromissos do que ceder essa responsabilidade a um terceiro.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.