Software produzido por pesquisadores do IFPB ajuda a diagnosticar infarto em fases iniciais - Jornal Diário do Curimataú
Software produzido por pesquisadores do IFPB ajuda a diagnosticar infarto em fases iniciais

Software produzido por pesquisadores do IFPB ajuda a diagnosticar infarto em fases iniciais

COMPARTILHE
ClickPB -

Uma pesquisa desenvolvida por um docente e quatro estudantes de Engenharia Elétrica (um do mestrado e três da graduação) trabalha conhecimentos e tecnologias que serão aplicados para ajudar médicos a diagnosticar precocemente alguns problemas cardíacos.
A pesquisa “Detecção de Infarto Agudo do Miocárdio pela análise automática dos parâmetros extraídos do Vetorcardiograma” utiliza técnicas de processamento de sinais e inteligência artificial para auxiliar os médicos no diagnóstico de infarto em fases iniciais. “Para atingir o objetivo é analisado o Eletrocardiograma e sua projeção tridimensional”, explica o idealizador do projeto, professor Carlos Danilo Regis.
Para isso, foi criado um software capaz de verificar o eletrocardiograma e, a partir dele, gerar um sinal tridimensional. Além disso, o programa possui uma técnica de aprendizado que, por meio da inteligência artificial, também faz com que o equipamento vá se aperfeiçoando à medida que mais pacientes são examinados.
O software já foi registrado e a próxima etapa da pesquisa é testá-lo em hospitais do Brasil. “Com esses testes, serão realizados ajustes e a pesquisa poderá começar a auxiliar os médicos, além de ser expandida para outras patologias”, esclarece Regis.
O trabalho conta com a parceria do médico Renato Hotegal, do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, hospital de São Paulo. Alguns médicos e odontólogos da UFPB também já fizeram contato para desenvolver as aplicações nas situações que eles necessitam. “Também estamos iniciando conversas com pesquisadores da Holanda que souberam o que está sendo desenvolvido no IFPB e querem trabalhar conosco”, destacou.
Para o pesquisador do IFPB, o trabalho surgiu dentro da visão institucional de que a pesquisa deve criar e aprimorar tecnologias que possam ajudar a comunidade e desenvolver as capacidades dos alunos a criarem soluções que ajudem a sociedade. No caso do trabalho, a sociedade poderá se beneficiar diretamente, porque que os médicos terão à disposição mais informações para fazer o diagnóstico mais preciso do problema do paciente. “Esse projeto também demonstra a alta capacidade que o IFPB (professores, técnicos e estudantes) tem de desenvolver pesquisas de ponta e que o investimento em pesquisa traz retorno para os estudantes e para a sociedade”, completa o docente.
O projeto já tem dois anos de trabalho e está na segunda turma de estudantes de Engenharia Elétrica envolvidos. Um deles é Rafael Duarte, que acredita que se engajar em pesquisas como essa, ajuda a orientar os alunos a definirem em que área pretendem se especializar. “Gostei de ter contato com a parte de estudos sobre modelos do sistema circulatório, justamente a parte de fazer modelagem matemática e com a programação”, ressaltou o estudante. Ele também ressalta que no desenvolvimento de pesquisas é possível colocar em prática conhecimentos vistos durante o curso.
Rafael também se sente bem satisfeito, porque o estudo despertou o interesse de pesquisadores holandeses. “É bem recompensador, porque a gente passa meses desenvolvendo algo e não sabe se vai dar certo. E de repente um pesquisador que é expert da área se interessa por isso”.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.