‘Vamos ficar aqui até achar’, diz casal de estrangeiros que perdeu cadela em Areia, na Paraíba - Jornal Diário do Curimataú
‘Vamos ficar aqui até achar’, diz casal de estrangeiros que perdeu cadela em Areia, na Paraíba

‘Vamos ficar aqui até achar’, diz casal de estrangeiros que perdeu cadela em Areia, na Paraíba

COMPARTILHE

G1 -


Anne-Hélène Berçon, de 23 anos, e Marco Cid Capo, de 38, viajaram mais de 20 mil km de kombi, passando por três países, acompanhados de sua cadela, Papaya. No entanto, no último dia 27 de junho, no município de Areia, no Agreste paraibano, Papaya se perdeu ao se assustar com fogos de artifício e fugir. Desde então, o casal de viajantes está na Paraíba, à procura do animal e realizando campanhas nas redes sociais para encontrá-la.

Segundo Hélène, que é francesa e namora um chileno, em um ano e meio o casal já passou pelo Chile, pela Argentina e pelo Brasil, mas, embora goste de viajar, Papaya é muito medrosa.

“Uma noite eu soltei ela só para que fosse para o banheiro e ela fugiu, porque atiraram fogos de artifício. E ela se assustou muito, porque é muito medrosa com o barulho, então ela fugiu e correu na mata por trás do posto onde estamos ficando com a kombi”, contou.
Como as comemorações de São João e São Pedro ganham força na região Nordeste entre os dias 23 e 29 de junho, o uso de fogos de artifício e das chamadas “bombinhas juninas”, é comum nessa época.

Papaya é companheira de viagem de Anne-Hélène e Marco, mas se perdeu na Paraíba (Foto: Anne-Hélène Berçon/Arquivo pessoal)
Ela explicou que eles ainda tentaram procurá-la à pé, mas não a encontraram. “Agora já faz 20 dias que ela desapareceu e acontece sempre a mesma coisa. Tem pessoas que são muito atentas e muito legais, mas nunca achamos a Papaya, sempre é outra cachorra”, afirmou.

“Essa cachorra é muito importante para nós, é a melhor companheira de viagem, ela é tudo para nós”, disse.

Após o desaparecimento da cadela, o casal de estrangeiros produziu um vídeo para auxiliar na busca. “Você vê melhor a Papaya, vê o seu rabo, vê a sua maneira de caminhar, então eu pensei que seria uma boa ideia. Estamos compartilhando muito nas redes sociais, porque ela pode estar em um sítio, na casa de alguém que está cuidando, pode estar em outra cidade”, comentou.

De acordo com Hélène, Papaya foi achada no Chile, quando tinha apenas duas semanas. A cadela tinha um irmão, que depois foi adotado por outra pessoa. “Nós pegamos ela para cuidar e para dar comida, começamos a buscar família para eles e não achamos para a Papaya, então como nós tínhamos esse projeto de viajar adotamos ela e começamos a viajar”, salientou.

O nome curioso da cadela foi dado enquanto o casal assistia uma animação. “Eles, no filme, fazem uma brincadeira com ‘papaya’, ‘banana’, essas coisas. Ela estava na cama conosco nesse momento e falamos ‘essa vai se chamar Papaya’”, explicou Hélène.

Ela ainda relatou que os moradores de Areia têm se sensibilizado com a situação e ajudado na busca pela cadela. “Cada dia têm pessoas que vêm aqui onde estamos morando para nos mostrar fotos. Às vezes chegam com um cachorro achando que é Papaya. Temos o número de muitas pessoas que estão ajudando muito”, contou a dona.


O casal interrompeu o programa de viagens para procurar por Papaya. Segundo Hélène, da Paraíba eles iriam para Goiás, para a Chapada dos Veadeiros, e em seguida para a Bolívia.

Quanto às características, segundo a dona, a cadela é considerada pequena, com apenas 10 kg, e com cores diferentes de pelo. “Ela é branca, tem pintinhas marrons no corpo inteiro, na barriga também e sua cabeça tem manchas pretas, marrom café, nas orelhas também”, descreveu Hélène.

“Temos que achar ela, vamos ficar aqui, na cidade de Areia até achar. Não vamos embora”.

Caso alguém encontre Papaya, o telefone para contato é (84) 9 9124-5145. O casal também orientou que a veterinária Mona Lisa também está contribuindo com a busca e pode ser contatada caso alguém tenha notícias sobre Papaya, através do telefone (83) 9 8829-5668.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.