UEPB adia para 2019 início do ano letivo 2018.1 para novos alunos - Jornal Diário do Curimataú
UEPB adia para 2019 início do ano letivo 2018.1 para novos alunos

UEPB adia para 2019 início do ano letivo 2018.1 para novos alunos

COMPARTILHE
Click PB -

A Administração Central da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) está adotando, em caráter de urgência, através da Portaria UEPB/GR/0667/2018, medidas que visam garantir a manutenção dos serviços e ações essenciais, bem como evitar a insolvência da Instituição. 

A Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) decidiu adiar o início do período letivo 2018.1 dos alunos novatos para 2019. A medida tem como justificativa “garantir a manutenção dos serviços e ações essenciais, bem como evitar a insolvência da Instituição”. Além do adiamento do período letivo, a UEPB também determinou a revogação da Portaria de turno contínuo de trabalho dos técnicos administrativos, suspensão da concessão de afastamento de servidores para capacitação e suspensão de mudança de regime de trabalho de docentes e técnicos.

A universidade também anunciou que, no prazo de 60 dias, as chefias de departamentos terão que encaminhar à Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (PROGEP) a relação dos docentes cuja carga horária efetiva de trabalho esteja incompatível com os respectivos Regimes de Trabalho, para que seja encaminhada ao Conselho Universitário (Consuni) a proposta de revisão do Regime de Trabalho, se for o caso.

O reitor Rangel Junior explicou que as deliberações visam, ainda, o não fechamento de nenhum campus da UEPB. “Mesmo que o governo indique que devemos fechar alguns Centros, temos a opinião contrária ao fechamento de qualquer campus. Podem até cogitar isso para depois de 2020, mas até lá nossa posição é de que não fecharemos nenhum campus”, disse Rangel.

Rangel disse que informou ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), ao longo dos últimos meses, sobre a impossibilidade da Universidade lidar com o limite financeiro imposto pelo Governo do Estado.

Segundo o reitor Rangel Junior, caso não fossem adotadas essas medidas emergenciais, inadiáveis e de fortes repercussões acadêmicas e sociais, a UEPB poderia ser levada a uma situação de insolvência de consequências imprevisíveis, já no segundo semestre deste ano. Para a Administração Central da Universidade, é necessário ajustar o custeio e os investimentos à realidade orçamentária.

De acordo com o vice-reitor, professor Flávio Romero Guimarães, as medidas terão efeito político e gerarão repercussões sociais muito grandes, mas que precisam ser tomadas desde já.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.