sábado, 16 de dezembro de 2017

Entidade distribui bonecas trans e causa revolta de pais

EM -
“Querem destruir as famílias tradicionais” é um dos comentários na página de Facebook da Organização das Voluntárias de Goiás (OVG). A entidade enfrenta críticas de pais e cidadãos goianos, após a distribuição de bonecos com o órgão genital masculino e, ao mesmo tempo, itens usados majoritariamente por mulheres – como batom e maquiagem –  e vice-versa.
 Em entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira, o diretor-geral da OVG, major Augusto Tavares de Souza,afirmou que a organização não esperava tamanha polêmica. “A intenção é levar alegria às crianças, reforçar os vínculos e estimular o espírito natalino nas pessoas. Mas, é claro que respeitamos a opinião das pessoas”, disse.
Ele ainda garantiu que, caso seja de interesse dos pais, as bonecas podem ser trocadas. “A OVG está aberta a sugestões e críticas e também nos colocamos à disposição para receber as devoluções de brinquedos”, afirmou.
Apesar do depoimento oficial da OVG, a reação nas redes sociais continua. Usuários chamam a gestão de “incompetente” e “vergonhosa”. “Não acho justo usarem os mais humildes para fazer lavagem cerebral em diversos sentidos”, ressalta uma publicação.
A ação faz parte do Projeto Show de Natal da OVG, que distribui 110 mil brinquedos em 246 municípios goianos. Além das bonecas, carrinhos, maletas de pintura, bolas de futebol e vôlei e objetos educativos são entregados.
Representantes políticos se posicionam
Diante da polêmica, deputados e vereadores opinaram sobre o caso. Em seu Facebook, o deputado estadual Delegado Waldir (PR/GO) condenou a medida. “De quem foi a brilhante idéia (sic) de destruição de nossas famílias? As famílias cristãs tem (sic) direito de proteger seus filhos ou vão ser doutrinadas?”.
Em Jataí, no sudoeste do Estado, vereadores impediram a distribuição dos brinquedos, por meio de um ofício. No total, 1,6 mil caixas com os itens foram extraviadas.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.


COMPARTILHE