sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Professora e estagiária são denunciadas por usarem saco de lixo para punir alunos

G1 –

Vítima da professora e da estagiária que aparecem em um vídeo colocando alunos de uma creche dentro de um saco de lixo em Restinga (SP), um menino de 3 anos diz que a educadora agia desta forma toda vez que ele fazia bagunça na aula. “[a professora] Põe dentro do saco, amarra. Põe a gente no saco a hora que a gente pega as motocas, porque fazemos bagunça”, explica a criança.

Ao lado do filho, a mãe Ivanilda Assis de Carvalho diz que a descoberta da Polícia Civil sobre as imagens feitas pela câmera de segurança instalada dentro da sala trouxe alívio à família.

“Pra todo mundo que não acreditou na gente, a prova está aí. A maioria não acreditava. Os pais acharam que a gente queria alguma coisa com isso, que nós tínhamos usado as crianças pra ganhar alguma coisa com isso. Eu, como mãe, eu fui e vou defender o meu filho até o fim.”

Suspeita de maltratar as crianças como forma de puni-los pela indisciplina, a professora Silma Lopes nega que tenha agredido os alunos. Afastada da função e alvo de um procedimento administrativo na Prefeitura, ela alega que agiu para colocar um “medinho” nos estudantes e que nunca houve ameaça.

Segundo a Prefeitura, a estagiária de 17 anos foi desligada do cargo após as denúncias. Sem gravar entrevista, os pais dela disseram que a jovem está assustada e que apenas seguia as orientações da docente. Também alvo de investigação da polícia, a professora substituta Priscila Melo deverá ser afastada do cargo nesta quinta-feira (16). Ela nega participação no caso.

Crianças no saco de lixo

Nas imagens obtidas pela polícia, a estagiária e a professora aparecem colocando o menino dentro de um saco de lixo preto. Uma coloca o garoto em pé, em cima do saco, e o segura pelos braços, enquanto a outra tenta puxar e fechá-lo. Num outro momento, uma criança deitada em um colchão parece se debater no interior do saco. Em uma das cenas, é possível ver a estagiária com a raquete e o saco nas mãos, numa forma de tentar intimidar os alunos. Segundo a criança, ele e outros dois colegas eram colocados no lixo com frequência pela professora, por castigo pela bagunça. “[O saco] Ficava guardado no negócio das motocas”, diz. De acordo com Ivanilda, o menino se recusa a voltar à escola porque tem medo de encontrar a professora. Com problemas pulmonares e em tratamento para asma, a criança chegou a relatar à mãe que a professora os fechava dentro do saco e contava até 10 antes de abri-lo. Por causa das punições na frente dos colegas, ela afirma que o filho passou a sofrer bullying.

“Todo mundo fica chamando ele de ‘menino do saco’. Em casa, não posso ter saco preto porque ele lembra. Vai para creche com constrangimento, às vezes não quer ir porque tem medo de ela [a professora] estar lá”, diz Ivanilda.




Denúncia

O caso foi denunciado pela autônoma em setembro deste ano. Ela procurou o Conselho Tutelar e registrou um boletim de ocorrência depois que o filho passou a se negar a frequentar a creche. Durante uma conversa, o menino revelou que a professora colocava os alunos em sacos de lixo, como forma de punição. Mãe de outro aluno que sofreu o mesmo tipo de castigo, Josiane Oliveira de Souza afirma que o filho foi ameaçado pela professora, para não contar aos pais sobre o que acontecia na creche. Ela chegou a deixar o garoto com o avô, até a educadora ser afastada da função.

“Ele voltou porque eu falei que tinha trocado as professoras. Eu achei um absurdo isso. Mesmo que a criança seja levada, se você não quer trabalhar, dá lugar para quem quer, quem gosta de criança. Mexer com criança é difícil”, diz Josiane.

De acordo com o delegado Eduardo Bonfim, a professora e a estagiária serão ouvidas nos próximos dias. Para ele, no entanto, as imagens não deixam dúvida a respeito da má conduta das suspeitas, que agiriam desta forma para castigar alunos indisciplinados.



Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.



COMPARTILHE