Ministro da Agricultura defende portaria que muda regras de fiscalização do trabalho escravo - Jornal Diário do Curimataú
Ministro da Agricultura defende portaria que muda regras de fiscalização do trabalho escravo

Ministro da Agricultura defende portaria que muda regras de fiscalização do trabalho escravo

COMPARTILHE
G1 –


A portaria que alterou a classificação de trabalho escravo e passou a atribuir ao ministro do Trabalho a decisão de divulgar a chamada "lista suja" das empresas que usam esse tipo de mão de obra, recebeu apoio do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Em mensagem enviada por WhatsApp a alguns de seus contados, e que foi repassada ao G1 pela assessoria do ministério, Maggi afirma que a portaria organiza um pouco a falta de critérios nas fiscalizações.

Segundo o ministro, "ninguém quer ou deve ser favorável ao trabalho escravo, mas ser penalizado por questões ideológicas ou porque o fiscal está de mau humor, não é justo"No final do texto, o Maggi parabeniza o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, que assina a portaria publicada na segunda (16). O Ministério da Agricultura informou que a mensagem é uma opinião pessoal do ministro e não da pasta.

Críticas

A portaria recebeu duras críticas por, por exemplo, condicionar a divulgação da lista a uma decisão do ministro do Trabalho e por exigir a presença policial nas fiscalizações, já que o processo contra quem usa mão de obra análoga à escravidão só terá validade se for acompanhado por um boletim de ocorrência policial. O decreto também exclui da definição de trabalho escravo jornada exaustiva e trabalho forçado. Assim, empregadores que forem condenados por essas práticas não serão incluídos na lista suja do trabalho escravo. Uma das ações práticas dessa lista é que empresas incluídas nela não podem pegar empréstimos em bancos públicos, como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Após a divulgação da portaria no Diário Oficial da União, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) manifestou "preocupação" pelas mudanças em torno da definição e da fiscalização contra o trabalho escravo no Brasil.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.