sábado, 2 de setembro de 2017

Planta brasileira pode destruir vírus da AIDS

Só Notícia Boa –


O segredo para a cura da Aids pode estar em uma planta brasileira: a Pulchellina, proteína originária de uma planta existente na flora brasileira (Abrus pulchellus tenuiflorus), foi capaz de combater células infectadas com o vírus HIV, após ter sido conjugada à ação de anticorpos usados especificamente na detecção do vírus.

A descoberta é de pesquisadores da Universidade de São Paulo, do campus de São Carlos. Os dados do experimento, publicados pela revista científica Nature, mostraram que a substância age rapidamente, matando em apenas dez minutos cerca de 90% das células infectadas com o vírus HIV.

Os estudos com as células infectadas com HIV foram feitos pelo doutorando do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), Mohammad Sadraeian, em parceria com um laboratório específico para o desenvolvimento de pesquisas com HIV, no Health Sciences Center da Louisiana State University, nos Estados Unidos.

A produção
Os anticorpos foram produzidos no laboratório da Universidade da Luisiana, EUA  e os testes com a substância foram realizados em células portadoras do vírus HIV, fornecidas pelo Department of Pediatrics da Harvard Medical School. Os cientistas brasileiros descobriram que a proteína Puchellina, misturada com os anticorpos, identifica as células contaminadas e elimina o vírus HIV sem afetar os glóbulos brancos saudáveis. Os medicamentos atuais atacam apenas os vírus que estão circulando pelo corpo e causam muitos efeitos colaterais, como vômito e diarreia. A proteína da Abrus pode combater até os vírus encubados ou “escondidos” sem efeitos.

Próximos passos
Na próxima fase da pesquisa os cientistas testarão o tratamento em macacos e, depois, em humanos.

“É o começo muito positivo que pode trazer, a partir de estudos então posteriores, quem sabe a tão desejada cura da Aids. É claro que a gente não pode dizer isso agora, mas o potencial existe e é muito promissor”, disse Ana Paula Ulian Araújo, uma das pesquisadores responsáveis pelo projeto.

A pesquisa está na fase experimental apenas com células infectadas para demonstrar o conceito. “Ainda são necessários anos de estudo para que a substância sejar aplicada em outros níveis, como em testes com animais e humanos e, futuramente, transformar a descoberta em medicamento”, lembrou o orientador da pesquisa, Francisco Eduardo Gontijo Guimarães, que também é professor do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos.

Alerta
E Gontijo faz um alerta! A planta não deve ser consumida em nenhuma hipótese, seja por animais ou humanos, porque pode matar, dependendo da dose ingerida.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.



COMPARTILHE