sábado, 26 de agosto de 2017

Novo exame prever com antecedência o risco de AVC e pode acelerar tratamento

Só Notícia Boa –


Uma nova técnica feita por ressonância, desenvolvida por cientistas da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, é capaz de prever com antecedência o risco de acidente cerebral. Os periódicos científicos JACC e PLOS ONE  disseram que a ressonância é capaz de rastrear as carótidas, artérias que ligam ambos os lados do pescoço ao cérebro, em busca de possíveis placas de colesterol.

Essas são as placas que podem causar o acidente vascular cerebral. A equipe usou a técnica para medir a quantidade de colesterol nas artérias de 26 pacientes que estavam à espera de cirurgia. Depois de as placas terem sido removidas, os pesquisadores analisaram o conteúdo delas e realmente coincidia com o indicado pelo exame anterior. Em um segundo teste, eles confirmaram os resultados em mais 50 pessoas. Para os pesquisadores, a nova técnica pode ajudar a reduzir os casos de AVC isquêmico e pode antecipar o tratamento.

"Ser capaz de quantificar o colesterol é uma perspectiva realmente animadora, pois essa nova técnica poderia ajudar os médicos a identificar pacientes em risco e tomar decisões mais informadas sobre seus tratamentos.", disse Luca Biasiolli, um dos autores do estudo, ao jornal on-line britânico The Guardian.

PREVENÇÃO

"Essa pesquisa abre a possibilidade para que no futuro possamos identificar mais precisamente pessoas com placas que possam se romper e causar o derrame", disse Nilesh Samani, diretor da Fundação Britânica do Coração, que ajudou a financiar o estudo. "Os pacientes podem ser tratados antes do acidente – com cirurgia removendo a placa, por exemplo – enquanto outros, com antecedência, podem até ser poupados da cirurgia. Essa pesquisa abre a possibilidade para que no futuro possamos identificar mais precisamente pessoas com placas que possam se romper e causar o derrame", disse Nilesh Samani, diretor da Fundação Britânica do Coração, que ajudou a financiar o estudo. "Os pacientes podem ser tratados antes do acidente – com cirurgia removendo a placa, por exemplo – enquanto outros, com antecedência, podem até ser poupados da cirurgia."



O AVC
Estima-se que, ao longo da vida, uma em cada seis pessoas sofrerá um AVC, que é a principal causa de incapacidade no mundo. Anualmente, são registradas mais de 6 milhões de mortes devido ao problema. Só no Brasil, em 2015, foram cerca de 100.000 óbitos. Aproximadamente 85% dos casos de AVC são isquêmicos, ou seja,  causados pela obstrução de um vaso sanguíneo que fornece sangue ao cérebro, bloqueando a passagem de oxigênio para as células nervosas (também chamadas de neurônios). Já os outros 15% são hemorrágicos, quando um aneurisma, um vaso sanguíneo enfraquecido se rompe e sangra no cérebro.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com,  siga  nossas páginas no Facebook, no Twitter,  Instagram e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.



COMPARTILHE