domingo, 30 de abril de 2017

Belchior morreu de causas naturais, segundo delegado

Folha -

Belchior morreu sereno, durante o sono e ouvindo música clássica, segundo o delegado Luciano Menezes, responsável pela investigação da morte do cantor cearense de 70 anos.
Segundo o delegado, a causa da morte foi uma dissecção da aorta, rasgo da parede da principal artéria do corpo humano, causando grande perda de sangue.
O corpo do músico foi encontrado pela companheira na sala de estar de casa, na manhã deste domingo (30).
Menezes disse ainda que, segundo a companheira de Belchior, Edna Prometeu, o músico "não tinha problemas de saúde, nem tomava nenhuma medicação".
O corpo de Belchior foi transferido para autópsia no fim da tarde de domingo para Cachoeira do Sul (a cerca de 200 km de Porto Alegre), onde constatou­se a causa da morte. De lá, deve seguir para a cidade de Venâncio Aires. Só então seria encaminhado para Porto Alegre, de onde partiria para Fortaleza, onde deve ocorrer o velório

FRIO
De acordo com o depoimento prestado por Prometeu à Polícia Civil, na noite de sábado, Belchior se queixou de frio e de dor nas costas.

Ele pediu então um cobertor, enquanto escutava música clássica em uma sala nos fundos da casa, seu espaço favorito. Quando ela subiu para dormir, perguntou ao companheiro se queria acompanhá­la, mas ele pediu para ficar no sofá. No domingo de manhã, perto das 7h, foi ali que ela encontrou o corpo do músico.
Belchior, que foi aluno de medicina na juventude, seria, por isso, muito preocupado com a saúde. Vivendo uma vida reclusa, em uma rua quieta e residencial de Santa Cruz do Sul, o cantor fazia exercícios à beira da piscina e saía para caminhar esporadicamente para manter a forma física.
Com medo de ser reconhecido, ele fazia exercícios sempre em horários estratégicos do dia. Tanto que, na manhã de hoje, os vizinhos da casa branca de dois pisos se surpreenderam ao saber que havia quase dois anos esse era o endereço do cantor mais procurado da MPB.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE