quarta-feira, 22 de março de 2017

Prefeitura de Cuité retira patrocínio do espetáculo da Paixão de Cristo; prefeito divulga nota

Ascom -

NOTA DE ESCLARECIMENTO
A Prefeitura Municipal de Cuité comunica que, após uma reunião com integrantes da Companhia Cuiteense de Teatro, retirou o seu apoio a edição 2017 do espetáculo da Paixão de Cristo de Cuité. Na reunião, que aconteceu no início da tarde desta terça-feira (21), no gabinete do prefeito, na sede do Executivo Municipal, a Companhia Cuiteense de Teatro, na oportunidade representada pelos integrantes Ismael Moura, Robson Peixoto e Ricardo Silva, apresentou, sem abrir mão do seu posicionamento, a proposta de cobrança de uma taxa aos espectadores do espetáculo durante os três dias de apresentação.
Diante do apoio ofertado pela Gestão Municipal com sonorização, iluminação, fogos, filmagem, fotos e demais estruturas, com um custo em torno de R$ 50 mil, o prefeito Charles Camaraense não concordou com a cobrança da taxa, pois o suporte da prefeitura já representa o apoio do cidadão cuiteense ao espetáculo, no momento em que entende que o dinheiro da gestão não é do prefeito e sim dos cidadãos.
Mesmo com a negativa da cobrança por parte do Poder Municipal, por também entender que o espaço cedido pela UFCG, campus Cuité, para a apresentação é público, a Associação Cuiteense de Teatro não abriu mão da cobrança e preferiu abrir mão do apoio da gestão. Com a imposição, e por saber que em nenhum dos anos anteriores foi praticada a cobrança, a Prefeitura Municipal acha melhor retirar o seu apoio.
O espetáculo da Paixão de Cristo deve ser, e na sua essência é, um evento de Cuité e não de uma associação ou da prefeitura. A Paixão, como usado habitualmente, é do povo. Dessa forma, o evento deve e tem que manter sua originalidade em ser aberto ao público sem nenhum interesse financeiro ou político, atraindo milhares de turistas de toda a Paraíba e estados vizinhos, gerando economia e aquecendo o comércio local.
Com tristeza, após várias tentativas de diálogo em retirar a cobrança da entrada ao espetáculo, a prefeitura se sente na obrigação de abrir mão do seu apoio ao evento. Pois, o interesse individual não pode sobrepor-se ao coletivo.

Cuité, 21 de março de 2017.
Charles Cristiano Inácio
Prefeito de Cuité

COMPARTILHE