domingo, 22 de janeiro de 2017

Em Nova Floresta, mulher que foi adotada procura pais biológicos

Gustavo Camelo -

A jovem nova-florestense, Maria Aparecida Moreira Faustino, popularmente conhecida como "Cidinha", está procurando a sua família biológica. Ela tem um sonho de um dia poder conhecer seu pai, sua mãe, assim como irmãos de sangue [caso possua].

Cidinha nasceu no ano de 1986, no dia 21 de abril, no Hospital das Rocas, em Natal, Rio Grande do Norte. Ela veio ao mundo com alguns problemas de saúde, seus pais muito novos na época, não tinham condições de arcar com as despesas e deram a bebê a um casal na frente do hospital. "Meus pais eram muito novos naquele tempo e passavam dificuldades financeiras, e quando minha mãe engravidou foi colocada pra fora de casa. Eu nasci muito doente, dai eles não tinha dinheiro para pagar o tratamento no hospital. Eles também  tinham que viajar em pau-de-arara para trabalhar em Minas Gerais e acabaram passando alguns dias na porta do hospital me oferecendo a pessoas que passavam. Por sorte, a minha mãe de criação estava levando a mãe dela ao hospital quando me ofereceram pra ela".

Aparecida ao lado de Rita de Cássia, sua mãe de criação
(Reprodução/NoticiandoPB)
O único pedido da genitora biológica ao doar a jovem, foi que a mãe adotiva registra-se a garota com o nome de 'Maria Vanderleia de Oliveira', mas no dia de registrar  o nome  foi mudado. "Minha mãe biológica mandou um menino entregar um bilhete pedindo que ela me registra-se como Maria Vanderleia de Oliveira, mas a minha avó [mãe da mãe de criação] pediu para colocar 'Aparecida', porque eu tinha aparecido na vida delas."

Depois desse pedido, nunca mais a jovem soube do paradeiro de seus país biológicos, nem mesmo o nome deles, nem a cidade onde foram morar na época.


Aparecida reside há 9 anos na cidade de Nova Floresta-PB, onde casou e teve 3 filhos. Qualquer informação sobre quem sejam os pais biológicos de Cidinha, ligue para o telefone (84) 9 8766-6587 (WhatSapp).


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo Whatsapp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE