quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Empresária de CG não reagiu a assalto e foi morta friamente; suspeito é preso

Correio -
Suspeito foi detido na noite de ontem (28), no Centro de CG
A empresária Célia Márcia Santos Cirne, 69 anos, morta no último sábado não reagiu ao assalto. Essa foi a conclusão da Polícia Civil, que na manhã desta quinta-feira (29) apresentou, durante coletiva à imprensa, um dos suspeitos de assassinar a empresária. 

O resultado da investigação mostra que ela não tomou qualquer atitude contrária a ação. Bruno Franklin Sousa Santos, 24 anos, suspeito de cometer o latrocínio, foi apresentado pelas polícias Civil e Militar. Ele foi detido na noite dessa quarta-feira (28), no Centro da cidade, após uma denúncia anônima.

“O carro é automático e ela ficou em pânico em razão da arma de fogo apontada para sua cabeça. Ela não conseguiu abrir a porta, enquanto ele forçava sem também conseguir abrir a porta. Ele decidiu atirar contra o vidro. Não houve uma reação dela em dizer ‘não abro’, houve sim um estado de choque”, disse a delegada Ellen Maria.

De acordo com o Correio Online, a conclusão sobre o caso aconteceu após acesso as imagens de câmeras de segurança de dentro da loja e depoimentos de testemunhas que presenciaram a ação.

De acordo com a delegada de Roubos e Furtos, Ellen Maria, Bruno nega ter cometido o crime, mas foi reconhecido por duas testemunhas presenciais, uma delas ficou face a face com ele durante o assalto. Além disso, mais de 50 estabelecimentos cederam imagens de câmeras de segurança, o que auxiliou o trabalho da polícia. Ele foi autuado em flagrante delito.

O suspeito pintou o cabelo durante a semana e, de acordo com Ellen Maria, já falava em fugir com destino a cidade de Caruaru, interior de Pernambuco. “Bruno passou a semana anterior ao crime sem comparecer ao trabalho. Esta semana, ele voltou a trabalhar, provavelmente para conseguir juntar dinheiro para fugir, já que nenhuma quantia foi levada da vítima”, falou. O suspeito trabalha com conserto de peças automotivas.

Na ação, foi levada uma bolsa da vítima, mas a carteira, com R$ 300 dentro, caiu no chão e não foi levada. Ele também não conseguiu levar os dois aparelhos de celular da empresária, que ficaram dentro do carro. “Mostra o quanto é frio o individuo que não logrou êxito numa ação contra uma senhora de idade e decidiu disparar contra o vidro, colocando em risco a vida de uma pessoa. Não levou nada material, mas acabou com uma vida”, completou.

Até agora, segundo a delegada, não existe informação que leve a crer participação de funcionário no crime, mas ela garantiu que, se isso aconteceu, nos próximos dias a PC irá esclarecer e responsabilizar os possíveis culpados. Ellen salientou ainda que as características são de latrocínio, por ter havido apenas um disparo e o acusado ter levado os pertences, acreditando que existia alguma coisa de valor.

“Existia também um comportamento da vítima de sair no mesmo horário do mesmo local. Ele então chega a pé e anda pela rua procurando saber onde era o portão pelo qual ela sairia. Quando vê qual o portão, ele liga para o motociclista, chamando para a ação. Câmeras de segurança distintas mostram um ligando e outro recebendo a ligação em locais diferentes”, contou.

Bruno tem passagem pela polícia por violência doméstica. Ele também está sendo investigado por outros crimes, já que teria levado um disparo de arma de fogo em uma tentativa de assalto feita por ele. A PC está levantando o fato, para saber onde e quando se deu este assalto.

Agora, a polícia continua com as investigações procurando pelo comparsa e pediu a ajuda da população para que denúncias sejam feitas, através do número 197, para encontrar o motociclista.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE