domingo, 25 de dezembro de 2016

Chuvas devem ocorrer no primeiro semestre de 2017, prevê meteorologia

Rádio Campina FM -

O meteorologista Lindenberg Lucena, da Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba(Aesa), falou que na última quarta-feira (21) foi realizada reunião com professores da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), que fazem parte da Unidade Acadêmica de Ciências Atmosféricas.

Segundo o meteorologista, após discussões, chegou-se ao consenso de que as chuvas ficarão em torno da média para o Semiárido paraibano no primeiro trimestre de 2017.

Lindenberg explicou que existe a dependência dos vórtices ciclônicos, que podem favorecer ou não, para chuvas.

Ele explicou que as chuvas que caíram nos últimos dias, que tiveram em torno de 40 milímetros, não tiveram um volume tão expressivo.
– O setor leste foi mais favorecido, como, por exemplo, Alhandra, Pirpirituba, que foram chuvas acima de 70 milímetros o acumulado para este mês. Foi basicamente essas chuvas que ocorreram devido a esse vórtice – disse.

Sobre o La Niña, que pode provocar muitas chuvas no Nordeste, o meteorologista esclareceu que a região depende do oceano Atlântico.
– O que está ocorrendo agora, a La Niña, é o resfriamento das águas do oceano Pacífico Equatorial Central, e o El Niño é justamente o contrário, é o aquecimento. Quando tem o El Niño acontece de as teleconexões ter movimento de cima para baixo. Para que ocorra chuva tem que ter movimentos de ar ascendente de baixo para cima para formar a chuva. Quando acontece o El Niño para nossa região é ao contrário, tem esse movimento de cima para baixo e elevação das temperaturas. O período chuvoso fica comprometido – explicou.

Os quatro meses mais chuvosos compreende entre os meses de fevereiro e maio. Os maiores índices pluviométricos ocorrem em março.

– Espera-se que este ano seja em torno da média essas chuvas e em março tenha notícia boa – concluiu.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE