domingo, 11 de dezembro de 2016

Após delação, Temer faz reunião de emergência com ministros de governo

Agência Estado -

Por conta das delações de ex-executivos da Odebrecht, citando nomes da cúpula do governo Temer, o atual presidente da República convocou uma reunião de emergência com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha e outros ministros de governo. A intenção é avaliar o conteúdo das delações, vazadas à Lava-Jato. O encontro já acontece, no Palácio do Jaburu, e Temer deve discutir medidas para a retomada da economia ainda este ano, que têm exatos 20 dias para chegar ao fim.
Segundo o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), que esteve com Temer na tarde deste domingo (11/12), o presidente receberá a equipe econômica durante a noite para tratar de um pacote de medidas para recuperar o emprego, a ser lançado nesta semana. Agora, Temer recebe o secretário-executivo do Programa de Parceria de Investimentos, Moreira Franco. Padilha se juntará à equipe no início do noite.
A reunião ocorre na mesma semana da divulgação de um dos termos do acordo de delação premiada do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebretch,  Carlos Melo Filho, que cita Temer, Moreira e Padilha nos depoimentos de executivos da empreiteira à Lava-Jato.De acordo com Rosso, Temer está “sereno”. “A prioridade é a retomada da economia.  No Senado, a PEC dos gastos. E na Câmara, a reforma da previdência. O foco é o ajuste fiscal e o presidente disse que confia nas instituições e na independência dos poderes, principalmente do Judiciário”, disse o deputado.
O líder do PSD disse, ainda, que a reunião de urgência deste domingo tratará de um pacote de medidas, que deve ser lançado nesta semana. “São uma série de ações para geração de emprego e renda no curto prazo”, afirmou.
De acordo com Rosso, as medidas de estímulo já vinham sendo estudas há cerca de um mês e os últimos detalhes devem ser acertados em um encontro com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. No entanto, a assessora de imprensa do ministro disse que ele continuará em São Paulo, onde cumpre agenda nesta segunda (12/12). Meirelles almoça com os dirigentes da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e participa da cerimônia de entrega de dois prêmios à noite.
 

Entenda o caso
Cláudio Melo Filho afirmou em delação que Temer pediu R$ 10 milhões ao empreiteiro Marcelo Odebrecht em 2014. Oficialmente, o Planalto negou ontem à noite a informação e afirmou que não há mais comentários a serem feitos. A delação premiada que atingiu em cheio a cúpula do PMDB e do governo, inclusive o presidente Michel Temer — citado 43 vezes no depoimento —  impôs um movimento de cautela a integrantes do Palácio do Planalto.
Interlocutores do Executivo dizem que é preciso aguardar o desenrolar dos depoimentos, que ainda precisam ser comprovados, mas não negam a preocupação com possíveis impactos das delações. Segundo depoimento do ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, Carlos Melo Filho, a empreiteira destinou dinheiro de caixa 2 para campanhas eleitorais e ainda fez repasses para a aprovação de medidas de interesse da construtora no Congresso Nacional.

Está prevista para a próxima terça-feira, a última votação da PEC do Teto dos Gastos e da LDO. O governo não quer que a tramitação dessas medidas, e da reforma da Previdência, sejam prejudicadas com o teor das delações dos ex-executivos da Odebrecht.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE