quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Adolescente de Nova Palmeira precisa urgentemente de doação de plaquetas para tratar leucemia

Blog NP -

A adolescente Maria Gabriela Dantas Amaral, de 15 anos, está precisando de doação de plaquetas com urgência. 

A jovem paraibana de Nova Palmeira, residente em Coronel Ezequiel, no Rio Grande do Norte, encontra-se internada no Hospital Infantil Varela Santiago, em Natal, lutando contra uma leucemia mileóide aguda, tipo M3. A enfermidade foi diagnosticada no início de outubro.

Gabi, como é carinhosamente conhecida, precisa das doações constantemente, pois após cada ciclo de quimioterapia as taxas diminuem, e só pode dar início a um novo ciclo quando tudo se normaliza.
Para a contribuição é necessário que o interessado já tenha realizado doação de sangue, sendo que, a última vez tenha ocorrido nos últimos três meses. Mas, ao contrário do sangue, que só é doado a cada três meses (mulheres) e dois meses (homens), a doação de plaquetas pode ser feita todos os meses.
Quem não conseguir doar, o sangue também serve, pois a cada oito bolsas de sangue se retira uma bolsa de plaqueta.
As doações serão realizadas no Hemonorte Dalton Cunha, na Avenida Almirante Alexandrino de Alencar, 1.800 – Tirol – Natal/RN.
Os comprovantes devem ser encaminhados para o Varela Santiago ou para a irmã ou a mãe de Gabi, Susy Amaral e Maria José Amaral, respectivamente (ver contatos abaixo).

Susy Amaral (83) 9 9627-5310 (ligação, chat ou whats);
Maria José Amaral (84) 9 8825-6167 (ligação, chat ou whats).

Como é Realizada a Doação de Plaqueta?
O nome do procedimento feito para doação de plaqueta é: aférese.
O doador agenda com antecedência a doação de plaqueta;
Ele recebe as instruções prévias sobre a doação de plaqueta;
É analisado se ele tem uma quantidade mínima de plaquetas, para obter o resultado esperado no procedimento;
É checada se a veia do doador tem um fluxo adequado para o equipamento;

Ocorre a doação de plaqueta;
O processo dura cerca de noventa minutos.
Na aférese, é retirado o sangue do doador apenas na porção necessária, recolhendo as plaquetas doadas por meio de centrifugação. Depois, são devolvidos os outros componentes sanguíneos, como o plasma e as hemácias. É assim: o procedimento filtra apenas as plaquetas.

Toda a doação de plaqueta é realizada de forma segura e livre de contaminações.



Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE