segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Técnico atribui apagão na Paraíba à falta de manutenção e ‘caos’ na Chesf

G1 -

O apagão que deixou Campina Grande e mais 72 municípios sem energia elétrica cedo da manhã de hoje (14) no interior da Paraíba teria causa menos imediata e mais complexa do que o curto-circuito alegado pela Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf).

“É falta de manutenção preventiva”, informou ao blog um funcionário da Chesf que pediu para não ser identificado, adiantando que está “há cinco meses sem sair do escritório, enquanto projetos são executados sem a supervisão dos projetistas”. Apagões como esse na região central do Estado, enfatiza, “é a crônica de um problema anunciado”.

A fonte disse ainda que a empresa enfrenta atualmente “um caos”, pois seus dirigentes “deixam os técnicos trancados na sede enquanto gerentes e aspones viajam para reuniões inúteis”. Avaliou que o problema na Subestação Campina Grande 2 “deve ter ocorrido na barra de 69 KV (quilovolt, que mede a tensão elétrica), por isso afetou tantas cidades do Estado”.

“Se fosse no 230 KV teria afetado até o Rio Grande do Norte”, detalhou o técnico, ressalvando que não poderia dar outras informações consolidadas sobre o apagão porque não há expediente hoje na sede da Chesf.

O Jornal da Paraíba e o G1PB já publicaram nesta segunda que o apagão afetou cerca de 410 mil unidades consumidoras (imóveis residenciais ou comerciais com medidor de energia). Informaram também que por volta das 8h a energia chegou a ser restabelecida em alguns bairros de Campina, mas voltou a cair e até 8h40 ainda não havia previsão de normalização.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE