sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Servidores municipais paralisam atividades no Curimataú e Seridó

Ascom –

Parte dos servidores dos municípios de Pedra Lavrada, Olivedos, Damião, Nova Palmeira, Frei Martinho e Picuí cruzaram os braços, hoje, para protestar contra a onda conservadora que retira direitos e precariza a vida dos trabalhadores no país.

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais do Curimataú e Seridó (SINPUC) iniciou uma série de assembleias, no dia 28 de outubro, e percorreu seis municípios para discutir com os trabalhadores os efeitos, no plano municipal, das medidas que estão em tramitação no Congresso.

De acordo com o secretário geral do SINPUC, Tião Santos, administrações, servidores públicos e os cidadãos brasileiros vão sentir os problemas dos ajustes do governo Temer porque as verbas diminuirão e os serviços serão afetados.

O dirigente disse, em Frei Martinho, que a luta contra as medidas do Planalto está sendo feita pelos movimentos sociais ligados aos trabalhadores e criticou a indiferença da Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (FAMUP) e da Confederação Nacional dos Municípios (CNM). “A FAMUP e a CNM deveriam estar no debate porque vão perder recursos”, afirmou Tião.

Em nível municipal o sindicalista disse que professores, Agentes de Combate a Endemias (ACE’s) e Agentes Comunitários de Saúde (ACS’s) serão afetados.

Os professores, de acordo com o dirigente, poderão sofrer sem reajuste do piso nacional. ACE’s e ACS’s enfrentarão a concorrência do programa Criança Feliz, comandado pela primeira-dama, Marcela Temer, e poderão ser substituídos por estagiários com formação acadêmica.

Participação e atos públicos

Durante a realização das assembleias os dirigentes reclamaram da baixa participação dos servidores. Mesmo assim muitos aderiram à paralisação.

“Teve uns que decidiram aderir à paralisação naturalmente”. Nova Palmeira, por exemplo, não teve deliberação em assembleia porque foi pouca a participação. Mesmo assim as pessoas entenderam que iriam paralisar”, explicou Tião. Ele disse ainda que o caso é o mesmo do município de Frei Martinho.

Em Olivedos e Damião serão realizados atos públicos para chamar a atenção da sociedade para os problemas que virão em breve, caso a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55 seja aprovada no Senado.

Além da luta contra a PEC 55, os servidores rejeitam as reformas trabalhista, previdenciária e do ensino médio. A paralisação nacional ainda é contra as privatizações, a terceirização de serviços, o projeto Escola da Mordaça e a desvalorização do salário mínimo.

Hoje, segundo Tião Santos, os movimentos fazem uma prévia para uma greve nacional que ainda não tem data definida.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE