quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Participantes do Encontro da Transição Municipal superlotam Auditório do TCE-PB


Ascom -

Prefeito de Picuí
Prefeitos, vice-prefeitos, secretários, consultores jurídicos e técnicos municipais superlotaram, nesta quinta-feira (17), o Auditório Celso Furtado, e mais duas salas de apoio do Centro Cultural Ariano Suassuna, pertencente ao Tribunal de Contas da Paraíba, a fim de participar do Encontro da Transição e Gestão Municipal. 

O evento atraiu a participação de mais de 500 pessoas.
Aberto, às 9 horas, pelo presidente do TCE Arthur Cunha Lima e encerrado, quase cinco horas depois, pelo coordenador da Escola de Contas Conselheiro Otacílio Silveira (Ecosil), Marcos Costa, o evento conteve sete exposições e serviu à distribuição do “Manual de Orientações aos Gestores Eleitos”.

“Esta não é uma casa do terror nem da perseguição. É, isto sim, uma casa de portas abertas aos que nos procuram em busca da orientação e do aconselhamento. O que nos satisfaz e nos eleva é a aprovação de contas públicas”, afirmou o conselheiro Arthur Cunha Lima, no momento da saudação à numerosa plateia.
Aos eleitos e reeleitos para o comando das Prefeituras paraibanas ele disse estar ciente das dificuldades que todos enfrentarão neste período mais agravado de crise econômica, com reflexos severos no âmbito dos municípios, dos estados e da União. “Serão dificuldades maiores do que aquelas com que se defrontaram os seus antecessores”, disse aos que obtiveram êxito nas urnas de outubro passado.
Também dispôs a todos os instrumentos, os recursos da informática, a atenção e os serviços do corpo técnico do TCE em favor da boa administração municipal e, por extensão, de todo o conjunto da sociedade. Disse que não é outra a intenção do atual vice-presidente André Carlo Torres Pontes – por quem será sucedido, brevemente, no comando do Tribunal – nem do Ministério Público de Contas hoje capitaneado pela procuradora geral Sheyla Barreto Braga de Queiroz.
Depois de ressaltar a necessidade das práticas de transparência dos atos administrativos, receitas e gastos públicos, ele lembrou que encontros dessa natureza já constituem uma tradição do TCE.
“Tem sido comum nossa reunião com prefeitos, logo após as eleições, a fim de orientá-los e parabenizá-los por cada vitória conquistada. O Tribunal de Contas estará sempre de portas abertas para recebê-los e interessado em ajudá-los a empreender uma administração produtiva e benéfica à comunidade. Tirem suas dúvidas e façam bom proveito desta ocasião”, concluiu.

INTEGRAÇÃO – Primeiro expositor do dia, o conselheiro André Carlo Torres Pontes ofereceu exemplos práticos da integração, cada vez maior, entre o Tribunal de Contas da Paraíba e segmentos diversos da sociedade.
Dividiu, a propósito, seu tempo de exposição com dois representantes da comunidade universitária, o ex-estagiário Felipe Mariz de Sousa e o estudante de Direito Wilker Jeymisson Gomes da Silva, aprovado, recentemente, no concurso para novos estágios promovido pelo TCE.
O primeiro tratou de questões atinentes, entre outras, à obrigatoriedade das prestações anuais de contas e a contratos, convênios, execuções financeira e orçamentária, normas e deveres do administrador público, temas que, aliás, compuseram sua recente tese de graduação acadêmica.
“Felizmente, o Tribunal de Contas nos oferece este espaço tão útil ao aprendizado”, comentou Felipe. Ele ainda se mostrou agradecido e honrado pela oportunidade de figurar no elenco de expositores do Encontro da Transição e Gestão Municipal.
Wilker foi apresentado pelo conselheiro André Carlo aos gestores, secretários e técnicos municipais como uma das pessoas à frente do grupo responsável pela avaliação dos portais de transparência mantidos pelos organismos sob jurisdição do TCE. Trata-se de trabalho realizado, episodicamente, em parceria com o Fórum Paraibano de Combate à Corrupção (Focco), mas que, agora, tem como novidade a participação estudantil.
“Estou ciente do quanto isso tem contribuído para meu crescimento acadêmico e, também, como cidadão”, observou o jovem estudante de Direito.
Aos participantes do encontro, egressos das últimas eleições, o vice-presidente do TCE fez ver que o grande e real propósito de todo bom gestor deve ser o não desmerecimento daqueles pelos quais foram eleitos.
“A principal estrela da administração pública é a população. É ela quem os escolhe”, lembrou, antes de desejar a todos “uma boa administração para que a sociedade desfrute de melhores tempos”.

LENTES – Parte expressiva da plateia atendeu, risonha e de bom grado, ao pedido da procuradora Sheyla Barreto Braga de Queiroz para a retirada dos óculos. Perguntou ela, em seguida, que visão essas pessoas tinham da tela onde expôs pontos da palestra que se preparava para fazer.
Ante a confirmação das vistas embaçadas, a procuradora geral do TCE definiu o momento e seu propósito como “lentes do controle externo”. Em seguida, acentuou: “Aqui está o Tribunal orientador”.
Sua exposição tratou de questões relacionadas, entre outras, à adequação das práticas administrativas ao tempo de crise, aos cuidados com a folha de pagamento, à gestão previdenciária e de pessoal e às licitações de obras e serviços de engenharia. “Não façam aquilo que vocês não podem contar”, foi seu conselho final.

ENCERRAMENTO – Coube ao conselheiro Marcos Costa o encerramento do Encontro da Transição e Gestão Municipal promovido em parceria com a Ecosil, órgão por ele coordenado.
“Espero que os senhores tenham o que agora sinto: o bom sentimento do dever cumprido”, disse às representações dos 223 municípios do Estado presentes, sem exceção, ao Auditório do TCE.

Falou, em seguida, de uma Ecosil disposta à parceria com todos os entes sob jurisdição do Tribunal para o aprimoramento ininterrupto das prestações de contas. “Isso facilita o trabalho de quem vai fiscalizar, mas, sobretudo, a vida dos gestores”, observou.
Ele fez, na ocasião, o anúncio de encontro já programado, com a mesma finalidade, para o dia 3 de fevereiro, desta vez, com os presidentes de Câmaras Municipais e suas equipes.

MANUAL – O “Manual de Orientações aos Gestores Eleitos”, rendeu elogios do conselheiro Marcos Costa à auditora de contas públicas Fabiana Luzia Costa Ramalho de Miranda (lotada na Ecosil) que o elaborou. “Sem falsa modéstia, este é um trabalho completo”, comentou.
Com 72 páginas e espaço para anotações dos gestores e quadros técnicos das Prefeituras, o Manual trata das providências iniciais a serem tomadas pelos empossados a partir de janeiro, dos princípios que norteiam a administração pública, do controle social, da execução orçamentária e financeira, receitas e despesas do município e das principais obrigações decorrentes de atos normativos do Tribunal de Contas.
Os destinatários de cada exemplar são orientados, ainda, sobre aplicações constitucionais em educação e saúde, limites com a folha de pessoal, endividamento, obrigações e regimes previdenciários, remessa de demonstrativos contábeis por meio eletrônico e, além disso, sobre as principais obrigações decorrentes de atos normativos do TCE.

 Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE