segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Cidade do Rio Grande do Norte será abastecida com água do mar

Portal no Ar 
Colaboração de Geraldo Vital -


O Rio Grande do norte começará fazer uso da água do mar para abastecimento até o final de 2016.

A informação foi confirmada pelo secretário de Recursos Hídricos, Mairton França. Segundo ele, o Governo garantiu o investimento de R$ 25 milhões por meio de negociações com o Banco Mundial para compra dos equipamentos.

De acordo com o secretário, a ideia inicial é implantar o projeto piloto de dessalinização de água do mar, sob execução da Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caem) no município de Macau, na região salineira do Estado.

A captação da água será feita através de grandes tubos, com três quilômetros de extensão, que bombeiam a água até a usina responsável por toda a etapa de processamento de dessalinização da água.

”A grande vantagem é que essa usina é móvel e pode ser transportada para qualquer lugar de acordo com a necessidade.”

O secretário acrescenta que a escolha de Macau como município piloto para a implantação da tecnologia foi devido ao rejeito resultante do processo, formado por uma grande concentração salina.

Segundo ele, após passar pelo processo 50% da água do mar resulta em água doce pronta para o consumo e os outros 50% em concentrado salino.

"Vamos estudar junto com o Idema a maneira mais adequada para o descarte desse rejeito. Ou vamos descartar para uma salina, para que seja reaproveitado na produção do sal ou diretamente nos canais onde as águas são descartadas no mar", explica .

PROJETO

A ideia do projeto veio de uma visita recente pelo secretário a Israel para conhecer as experiências na área hídrica utilizadas naquele país.

De acordo com Mairton, o Rio Grande do Norte possui uma extensa faixa litorânea, o que viabiliza esse tipo de tecnologia.

Tendo convivido com períodos severos da seca extrema, Israel se utiliza, atualmente, da água do mar para quase todo tipo de atividade e consumo no seu território.

Lá, a obtenção é feita através de 5 grandes usinas responsáveis por toda a etapa de processamento.

A estimativa é que juntas, essas usinas produzam um total de mais de 130 bilhões de galões de água potável por ano, com uma meta de 200 bilhões de galões até 2020.

O secretário observa que o uso desse tipo de tecnologia no Estado seria mais uma forma de combater a seca que atinge vários municípios.

Atualmente, 12 cidades do Estado potiguar estão em colapso no abastecimento de água e 42% dos reservatórios estão em estado crítico.

Até o final de dezembro deste ano, a adutora Currais Novos/Armando Ribeira deverá estar em funcionamento.

Além disso as obra da adutora Alto Oeste foram retomadas.


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE