Cantor sertanejo morre carbonizado após carro bater em poste - Jornal Diário do Curimataú
Home » , » Cantor sertanejo morre carbonizado após carro bater em poste

Cantor sertanejo morre carbonizado após carro bater em poste

Written By Diário do Curimataú on sábado, 23 de julho de 2016 | sábado, julho 23, 2016

G1 -

Cantor sertanejo Pedro Lima tinha de 20 anos e voltava de um show
O cantor sertanejo Pedro Lima, de 20 anos, morreu carbonizado após sofrer um acidente na madrugada deste sábado (23), na avenida José Marão Filho, em Votuporanga (SP).

De acordo com informações da polícia, José Pedro Alves de Lima voltava sozinho de um show, quando teria perdido o controle da direção e batido o carro que dirigia em um poste.

Base do poste chegou a quebrar
(Foto: V1 Imagens e Filmes/Divulgação)
O veículo pegou fogo, o cantor ficou preso às ferragens e morreu carbonizado. Por conta do impacto, a base do poste quebrou. Até o momento não há informações das causas do acidente.

O corpo foi levado ao Instituto Médico Legal (IML) e liberado para o velório a partir das 14h deste sábado. O enterro do cantor está marcado para este domingo (24), a partir das 10h, no Cemitério Municipal de Votuporanga. 


Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.
Compartilhe em sua rede :

0 comentários:

Speak up your mind

Tell us what you're thinking... !

5 Anos fazendo jornalismo

Destaque da semana

Estudantes do Campus Picuí são campeões em Robótica

Ascom - Estudantes do Laboratório de Engenharia de Software e Hardware (LESH) do Campus Picuí, em parceria com o FabLab, se sagraram ca...

DIVULGUE VOCÊ TAMBÉM

CREATIVE TV - 24h NO AR!

CURTA E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

Mais Acessadas

SEJA NOSSO REPÓRTER

TV: AVENTURA; ACOMPANHE

 


Copyright © 2016. Jornal Diário do Curimataú - Todos os Direitos Reservados. Grupo JM de Comunicação - Deus é Fiel
Desenvolvido Por Aluísio Silva