domingo, 24 de julho de 2016

Agricultores iniciam colheita de amendoim no Agreste paraibano

Heleno Lima -

Agricultores familiares iniciaram a colheita do amendoim, na região de Itabaiana, no Agreste Paraibano.

A cultura, que conta com o acompanhamento dos extensionistas da Gestão Unificada Emepa/Interpa/Emater, vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), contempla uma área de 582 hectares de plantio com previsão para esta safra de uma produção de 698 toneladas.

Segundo o coordenador regional da Emater-GU em Itabaiana, Paulo Emílio de Souza, a área cultivada com amendoim na região está assim distribuída: Itabaiana, 210 ha; Mogeiro, 300 ha; Juripiranga, 2,0 ha; Pedras de Fogo, 5,0 ha; Pilar, 15 ha; Salgado de São Félix, 25 ha; São José dos Ramos, 15 ha; e São Miguel de Taipu, 10 ha.

O plantio, no geral se dá no início da estação chuvosa que na região vem se caracterizando a partir de abril.

As sementes plantadas na região são de duas variedades precoces, a BR 1 e a BRS 151, que foram trabalhadas pela Embrapa e apresentam cor vermelha e um ciclo de produção de 90 dias até a colheita e mais 15 a 30 dias de sol para secagem.

A produtividade em regime de sequeiro está na média de 1,2 toneladas por hectare. O comércio é garantido e o preço do kg varia de R$ 3,00 a R$ 4,00, dependendo da época de venda.

A produção de amendoim, principalmente de Itabaiana e Mogeiro, abastece o mercado consumidor da Paraíba e parte é vendida in natura na Ceasa de Pernambuco.
Atualmente, uma das grandes dificuldades para ampliação da cultura do amendoim está na mão-de-obra que eleva bastante o custo de produção, pois a colheita na Paraíba é totalmente feita de forma manual, sem o uso de implementos.

“Historicamente, a agricultura familiar tem sido a responsável pela maior parte da produção de alimentos básicos, contribuindo com o abastecimento urbano através da diversificação de suas atividades”, comenta o diretor Técnico da Emater-GU, Vlaminck Paiva Saraiva.

O agricultor, Luiz Dias de Araújo, da comunidade Agreste, em Mogeiro, destacou que tem encontrado uma grande demanda do amendoim, cultura que vem trabalhando há bastante tempo e de forma diversificada com o milho e feijão, o que lhe garante uma renda certa, pois o ciclo de produção por ser precoce em relação às demais culturas possibilita produzir mesmo em anos com pouca chuva, como vem ocorrendo.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.

COMPARTILHE