sexta-feira, 10 de junho de 2016

Pastores são presos suspeitos de oferecer até R$ 40 para sexo com menores, na PB

Halan Azevedo -

Dois pastores foram presos, na tarde desta sexta-feira (10), suspeitos de pedofilia e estupro contra adolescentes e crianças que moram no município de Montadas, no Agreste paraibano, a 165 km de João Pessoa. As vítimas possuem entre 11 e 16 anos e relataram ganhar entre R$ 20 e R$ 40, além de bebidas, para se relacionar sexualmente com os suspeitos. 

O crime foi descoberto após denúncias dos pais das vítimas. De acordo com o delegado seccional da Polícia Civil em Esperança, Malon Cassimiro, a primeira vítima dos pastores teria sido um jovem de 16 anos, que relatou ter recebido dinheiro para que um dos suspeitos fizesse sexo oral nele.

“Os casos começaram a aparecer quando um rapaz de 16 anos contou aos pais que um dos suspeitos ofereceu dinheiro para praticar sexo oral nele. A família desse rapaz procurou os pastores para tirar o ocorrido a limpo. Com isso, os pastores reuniram a família desse menor e outras quatro famílias e teriam pedido perdão pelos abusos. Depois dessa reunião, as famílias ficaram indignadas e resolveram levar o caso ao Conselho Tutelar”, contou o delegado.

Segundo o delegado, o Conselho Tutelar encaminhou o caso à polícia, que conseguiu depoimento dos menores e solicitou a prisão preventiva dos suspeitos.

“Os menores nos contaram que os assédios eram constantes. Os crimes ocorriam nas igrejas e também na casa de um dos pastores, que é casado, e se aproveitava da ausência da esposa para chamar os menores e oferecer dinheiro para pratica de masturbação e sexo oral. Com o depoimento das vítimas solicitamos a prisão preventiva dos pastores e eles foram presos. Inicialmente eles disseram que só falam sobre o caso em juízo, mas não negam nem confirmam os abusos”, relatou o delegado.

Presos, os suspeitos foram encaminhados para a Cadeia Pública na cidade de Esperança, que fica perto de Montadas, onde aguardam decisão da Justiça.

Leia mais notícias em diariodocurimatau.com, siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e veja nossos vídeos no Youtube. Você também pode enviar informações à Redação do Jornal Diário do Curimataú pelo WhatsApp (83) 9 8820-0713.



COMPARTILHE