terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Governador anuncia entrega das Escolas Técnicas de Cajazeiras, São Bento e Cuité ainda este semestre

Redação com Click PB -

Foto: Walla Santos
Na reabertura dos trabalhos da Legislatura da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), o governador Ricardo Coutinho fez pronunciamento defendendo a harmonia entre os três poderes, em especial, com o Poder Legislativo para poder enfrentar a crise econômica. Ricardo também fez um balanço do seu governo e prestou contas das ações e obras em todo estado para os deputados, na manhã desta terça-feira (02).

O governador disse que, apesar das dificuldades financeiras, nas quais a Paraíba deixou receber nos últimos cinco anos R$ 791 milhões em repasses para o estado, o governo pagou somente em obras R$ 640 milhões em 2015, entregou 10 mil cisternas, investiu R$ 187 milhões em obras de ações na área de saúde e tirou 33 cidades do isolamento, devido à falta de infraestrutura das estradas, além de garantir a retirada das 21 localidades que ainda necessitam de recuperação das rodovias de acesso.
Ricardo Coutinho destacou ainda que, só neste mês de janeiro, a Paraíba perdeu R$ 37 milhões no Fundo de Participação dos Estados (FPE), mas, que mesmo assim, pretende entregar o Sistema Adutor da Nova Camará e as Escolas Técnicas de Cajazeiras, São Bento e Cuité ainda neste semestre.  O pronunciamento do governador reabriu a 2ª sessão da 18ª Legislatura da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

Participaram da sessão diversas autoridades, representantes dos poderes e secretários de Estado. O corregedor-geral de Justiça, desembargador Arnóbio Alves Teodósio, participou da reabertura dos trabalhos do Legislativo, representando o presidente do tribunal. Antes de compor a Mesa dos trabalhos, o corregedor-geral concedeu entrevista coletiva e afirmou que o presidente do TJPB o convidou para representá-lo na sessão, em virtude de sua total impossibilidade de comparecimento. “Na Paraíba, nós temos o privilégio de um bom relacionamento entre os poderes, como determina a Constituição Federal. 

Os poderes são harmônicos, porém independentes. Para nossa alegria e benefício do povo paraibano, isso funciona muito bem em nosso Estado”, disse o desembargador Arnóbio.

COMPARTILHE