'Erramos, mas acertamos muito mais', diz Lula em programa do PT - Jornal Diário do Curimataú
Home » , » 'Erramos, mas acertamos muito mais', diz Lula em programa do PT

'Erramos, mas acertamos muito mais', diz Lula em programa do PT

Written By Diário do Curimataú on segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016 | segunda-feira, fevereiro 22, 2016

G1 -

Em propaganda partidária do PT que irá ao ar nesta terça-feira (23), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva admite que o partido cometeu erros no governo, mas declara que os acertos foram maiores. O vídeo foi apresentado à imprensa pelo presidente do PT, Rui Falcão.
“Somos o país que mais resolveu as desigualdades. Quem diz isso é a ONU. É isso no fundo que incomoda essa gente [...]. É verdade que erramos, mas acertamos muito mais. E podemos acertar muito mais ainda”, afirma Lula, na propaganda partidária, sem entrar em detalhes sobre os “erros” cometidos.
O ex-presidente não comenta sobre as investigações da Operação Lava Jato, nem sobre as suspeitas levantadas peloMinistério Público Federal de que seria dono de um sítio e de um apartamento reformados pela construtora OAS, investigada por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.
No vídeo do PT, que tem 10 minutos de duração, locutores e apresentadores fazem uma defesa de Lula. Eles dizem que o ex-presidente é alvo de “ataques”, mas que continua sendo “a voz de um país mais forte”.
“Agora atacam e caluniam o presidente Lula. Desrespeitam todas as regras. Tentam manchar sua história. Preconceituosos que não querem aceitar suas ideias e suas origens. As privações, a privacidade invadida. Tudo isso passa. Lula, você permanece sendo a voz de um país forte [...] Você tem respeito, amor e morada definitiva”, diz a propaganda partidária.
A presidente Dilma Rousseff não aparece nas imagens. Segundo Rui Falcão, ela não quis participar da propaganda partidária. “Acho que ela preferiu não [participar]. Ela foi convidada”, disse o presidente do PT.

'União'
A propaganda do PT pede, ainda, “união” para enfrentar a crise econômica e busca reforçar que as dificuldades são passageiras. “Não é hora de defender bandeiras que nos separam. Hora é de reunir forças para fortalecer o Brasil. Por que tanto ódio e intolerância contra um partido nesse momento, em que se precisa de união?”, diz o locutor.

Em seguida, populares aparecem dizendo que a crise é uma “fase” e que essa não é a primeira vez que o Brasil enfrenta problemas econômicos. “Ninguém pode correr da fumaça, tem que arranjar um jeito de apagar o fogo”, diz um homem. “É trabalhar. Vamos trabalhar”, dizem outros populares.

Em seguida, Rui Falcão aparece no vídeo para dizer que não serão “permitidas” medidas econômicas que prejudiquem a população. “No passado, ao sinal de qualquer problema na economia, quem pagava a conta era o povo. Nós que fizemos juntos tantas mudanças não vamos permitir que dificuldades passageiras tragam insegurança para as famílias. Nenhuma medida econômica pode ser boa se deixar para trás as pessoas”, afirma.

Lula também menciona a crise econômica, no vídeo, e diz que " parece que virou moda falar mal do Brasil". "Hoje tenho muito mais confiança no Brasil do que eu tinha quando tomei posse, em 2003. Nenhum outro país saiu da pobreza em tão pouco tempo. As pessoas que falam em crise, crise, crise ficam minando a confiança do Brasil. Mas continuamos sendo o gigante do agronegócio. Somos o terceiro maior exportador de aviões", afirmou.
Compartilhe em sua rede :

0 comentários:

Speak up your mind

Tell us what you're thinking... !

5 Anos fazendo jornalismo

Destaque da semana

ONG Nova Baraúna comemora 11 anos de fundação; veja programação

Redação - No próximo dia 17 de dezembro, a ONG Nova Baraúna comemora 11 anos de fundação. As festividades terão inicio cedinho com al...

DIVULGUE VOCÊ TAMBÉM

CREATIVE TV - 24h NO AR!

CURTA E RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES

Mais Acessadas

SEJA NOSSO REPÓRTER

TV: AVENTURA; ACOMPANHE

 


Copyright © 2016. Jornal Diário do Curimataú - Todos os Direitos Reservados. Grupo JM de Comunicação - Deus é Fiel
Desenvolvido Por Aluísio Silva