quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Bate-boca com vídeo pornô e narcotráfico e deputada na 'cola' de Cunha, a sessão da Câmara desta 4ª

Estadão -

Brasília -  A sessão plenária desta quarta-feira, 28, foi marcada por bate-boca entre deputados e protestos contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Com acusações de roubo de dinheiro público e de ligação com o narcotráfico, os deputados João Rodrigues (PSD-SC) e Jean Wyllys (PSOL-RJ) protagonizaram  discussão que, por pouco, não terminou em briga.
Tudo começou quando João Rodrigues usava a tribuna da Câmara para criticar parlamentares que eram contra a flexibilização do Estatuto do Desarmamento, aprovada na terça-feira, 27, por uma comissão especial da Casa.  
Pelo aprovado, todos os cidadãos a partir de 21 anos poderão possuir e portar armas de fogo para defesa própria e do patrimônio. O texto também permitiu deputados e senadores poderão andar armados, assim como pessoas que respondam a inquérito policial ou processo criminal.
O deputado de Santa Catarina sugeriu que parlamentares que são contra a flexibilização, como Jean Wyllys, "se postam como que se fossem verdadeiros defensores de bandido". "A forma determinava que alguns defendem me parece que estão extremamente ligados a quadrilhas, ao narcotráfico a bandidos", acusou.
Rodrigues lembrou que o deputado do PSOL foi eleito com a ajuda da exposição que teve no reality show Big Brother, da TV Globo, do qual foi o vencedor da edição 5, em 2005. "Pela sua história, ele não merece meu respeito e da maioria dos deputados", afirmou o parlamentar catarinense.
Vídeos pornôs. Em resposta, Jean Wyllys acusou Rodrigues de roubar dinheiro público. "Homens decentes não assistem vídeos pornôs durante a sessão plenária. Homens decentes não são condenados por improbidade administrativa, por roubar dinheiro público, como o deputado foi", disparou.
O deputado do PSOL se referia ao flagra feito pela imprensa, em maio deste ano. Durante uma votação de propostas da reforma política na Casa, Rodrigues foi flagrado assistindo vídeo e vendo fotos pornôs. Na época, o parlamentar afirmou que tinha apenas aberto um vídeo enviado em grupo do aplicativo WhatsApp.
"Portanto quem não tem moral para representar o povo brasileiro é ladrão", afirmou Wyllys, acrescentando: "Qualquer programa de televisão é mais decente do que deputado que rouba dinheiro do povo na sua administração pública". "E olha deputado resta saber se seu video pornô era hetero ou homossexual", finalizou.
Assista o vídeo:


COMPARTILHE