Só 21 cidades têm lei de segurança alimentar - Jornal Diário do Curimataú
Só 21 cidades têm lei de segurança alimentar

Só 21 cidades têm lei de segurança alimentar

COMPARTILHE
Jornal da Paraíba

Dados são da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) em 2012, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A segurança alimentar está garantida na Constituição Federal, portanto, é direito de todo cidadão. Cabe aos governos garanti-la, mas nem sempre isso acontece. Na Paraíba, apenas 36% (81 cidades) dos municípios possuem estrutura na área de segurança alimentar. Os dados são da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) em 2012, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e foram divulgados na semana passada.
Das 81 cidades que possuem estrutura na área, 69 têm o setor subordinado a outra secretaria; sete têm secretaria municipal em conjunto com outras políticas; quatro com setor subordinado diretamente à chefia do Executivo; e apenas uma tem secretaria municipal exclusiva. Segundo o IBGE, os outros 142 municípios (que corresponde a 63%) não possuem estrutura específica.
Essa foi a primeira vez que o tema foi abordado pela pesquisa do IBGE.
A pesquisa mostrou ainda que na Paraíba apenas 21 cidades possuem lei municipal de segurança alimentar e nutricional já promulgada. Em duas cidades do Estado a lei está em tramitação. A segurança alimentar pode ser garantida, dentre outras ações, através de programas de assistência à famílias em situação de risco social e vulnerável.

A secretaria de Desenvolvimento Humano da Paraíba, Aparecida Ramos, disse que nos últimos anos foi observada a melhora nos índices de segurança alimentar, mas admitiu que é preciso avançar. Vários programas são desenvolvidos com o objetivo de mudar essa realidade. Um deles é o restaurante popular, onde refeições são oferecidas a preço simbólico à população dos municípios de João Pessoa, Campina Grande, Santa Rita e Patos.

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) também contribui para garantir a segurança alimentar. Segundo a secretaria o PAA começou atendendo 600 agricultores, mas esse número será ampliado para 15 mil, graças a um convênio entre os governos estadual e federal. “Esse é um programa que teve uma elevação significativa”, disse Aparecida. “Outras ações são por meio da agricultura urbana, que envolve comunidades quilombolas, e o programa voltado para os índios. Tudo isso faz parte da política de segurança alimentar”, declarou.

PLANO

No mês passado, a Prefeitura de João Pessoa realizou um seminário para traçar diretrizes para a construção do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional. A secretaria de Desenvolvimento Social, Marta Geruza Moura Gomes, disse na ocasião que 25 bairros da capital apresentam Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) abaixo do esperado, o que implica no comprometimento da segurança alimentar.